Por onde começar a organizar seu casamento

19 de fevereiro de 2016



Se você está noiva (ou quase - rs) já deve ter perdido algumas horas de sono pensando em tudo que você precisa organizar, nas tantas decisões que precisa tomar, nos fornecedores que precisa contratar e, principalmente no sonho que é saber que vai casar!

A principal dúvida das noivas é por onde começar!

Até agora você apenas imaginava como seria o seu casamento, agora você precisa fazer acontecer e começar a transformar o sonho em realidade.

Eu já contei aqui que meu namoro durou apenas 10 anos e nosso noivado durou 3 anos, então eu já tinha muitas ideias sobre como eu gostaria que fosse esse dia tão esperado e já tinha centenas de imagens guardadas no Pinterest (se ainda não usa o site, corre lá e se inscreve para começar a se inspirar - e não esquece de me seguir!).

Mesmo assim, quando as coisas começaram a realmente acontecer eu fiquei um pouco perdida, por isso decidi contar como eu comecei os planejamentos do casamento. Ah, e deu tudo certo, MUITO CERTO!

Defina o estilo do casamento

O primeiro passo é decidir, junto com o noivo, o estilo da cerimônia e da festa.

É essencial que esse dia reflita a personalidade do casal e seja a realização do sonho dos dois. Conversem sobre o que imaginam para esse dia.
Decidam se querem um casamento tradicional, um casamento no campo ou na praia, se preferem que seja de manhã, ao por do sol ou à noite, se vão casar na cidade onde moram ou farão um destination wedding, se casarão na Igreja ou apenas no civil, ou quem sabe apenas farão uma celebração simbólica.

Somente depois de decidir o estilo do casamento é que você poderá procurar fornecedores que se adequem ao sonho do casal.

Minha experiência: eu queria um casamento muito tradicional e clássico, mas ao mesmo tempo simples e que deixasse todo mundo à vontade. O noivo sempre concordou comigo sobre isso (aliás, ele sempre foi tranquilo e participativo).
Além disso, para nós era muito importante a celebração do sacramento do matrimônio, nosso foco durante toda organização era a cerimônia.

Faça a lista de convidados

O próximo passo é o mais complicado, na minha opinião: a lista de convidados.
Pode parecer cedo se você começou o planejamento com mais de 01 ano de antecedência, mas saiba que muitas coisas daqui pra frente serão decididas com base na sua lista de convidados.
Essa primeira lista vai dar uma ideia de quantidade de pessoas e perfil dos convidados.

Lembre de conversar muito com as famílias para saber o que seus pais esperam, principalmente se eles estão ajudando com o casamento, mas saiba negociar e também ser maleável, faça-os entender que não é possivel convidar todas as pessoas que já passaram pelas suas vidas, mas também entenda quando eles disserem que aquela pessoa é importante e deve ser convidada.

Terminou a lista? Saiba que ela vai mudar incontáveis vezes, você fará novos amigos, vai tirar alguém que trabalhou com você mas já não tem contato, um amigo que começa a namorar e tantas outras situações, farão você voltar para a lista.

Minha experiência: eu fiz uma lista inicial com a família próxima, os amigos em comum, meus amigos e colegas de trabalho. Depois o noivo acrescentou os convidados dele, familiares e amigos. Com a nossa lista pronta, repassamos com os nossos pais, cada família acrescentou aqueles que gostaria que estivessem lá.

Essa nossa primeira lista tinha 220 convidados, já a versão final (um ano e meio depois) tinha 260 convidados.

Definindo o orçamento

Esse é o assunto chato na hora de planejar o casamento.
Você precisa definir o seu orçamento para tomar decisões que não transformem o casamento em um caos financeiro.
Converse muito com o noivo, conversem os pais. Saibam o quanto vocês tem disponível para a festa, saibam se os pais vão ajudar e, nesse caso, em que vão ajudar.

Tem casos em que os noivos bancam o casamento sozinhos, já vi combinações em que o noivo paga a casa e a noiva paga o casamento, alguns pais ajudam com uma parte da festa (comida, por exemplo), outros auxiliam em tudo.

Tudo depende da situação financeira e da forma como as famílias lidam com o assunto finanças.

Ah, entenda que se os pais estão auxiliando nos gastos é importante, pelo menos, perguntar o que eles esperam do casamento (se eles fazem questão de servir uma determinada bebida ou se acham absurdo gastar dinheiro com um determinado serviço - nesse caso, você deve arcar com os custos de tal serviço).

Por isso, conversar muito é essencial.

Minha experiência: nossos pais já haviam manifestado que iriam ajudar no casamento e essa ajuda, na verdade, foi praticamente tudo. Algumas coisas, principalmente os supérfluos, nós bancamos.
Eu já tinha feito as contas para ter ideia de quanto custaria o casamento, contei para os meus pais e eles disseram com quanto poderiam auxiliar. O noivo fez o mesmo.
Pra gente foi tudo muito tranquilo, não tivemos cobranças e exigências, mas sempre fiz muita questão de perguntar o que achavam das nossas escolhas e falar sobre o casamento.
E eu me mantive muito centrada no orçamento, é claro que ultrapassou um pouco o previsto inicialmente, mas consegui controlar muito bem essa parte (por incrível que pareça, pois sou péssima com finanças).

Escolha data, horário e local

Provavelmente você já deve ter uma data em mente, mas agora é hora de ver se essa data funciona para vocês.

Por exemplo, fazer um destination wedding numa sexta-feira pode não ser uma boa ideia, assim como um casamento de manhã no sábado, quando muitos convidados estão trabalhando.

Além disso você precisa conciliar a data com o local e o horário.

Para isso, tenha um plano inicial: decida qual seria a Igreja, o salão e o horário que você prefere e qual a ordem de importância disso (se o salão que você quer não está disponível para uma festa noturna, você prefere casar de dia ou escolher outro local?).

Procure primeiro aquilo que é mais importante para você (algumas Igrejas tem filas de espera de 02 anos) e vá depois vá encaixando os demais.

Lembre-se de pesquisar sobre os locais e não tenha medo de perguntar. Saiba o que pode e o que não pode fazer na Igreja, se qualquer fornecedor pode trabalhar ali ou se precisa ser alguém autorizado. Pesquise se o salão tem buffet próprio ou se você deve contratar os serviços individualmente.

Minha experiência: escolhemos a data, seria um sábado logo antes de completarmos 10 anos de namoro. E como eu disse, a nossa prioridade era a cerimônia, eu queria me casar em uma Igreja tradicional da cidade, por isso o primeiro passo foi reservar a Igreja (1 ano e oito meses antes da data) e já tínhamos definido que seria à noite, então escolhemos um dos horários disponibilizados pela Igreja. Em seguida, começamos a olhar os salões e depois de alguns contatos, optei por aquele que melhor atendia minhas necessidades em tamanho e serviço.

Pronto, agora você já tem as principais informações para passar para os fornecedores que você vai fazer contato e que moldarão o seu casamento.​

Com estilo, orçamento, lista de convidados, data, horário e local definidos você pode começar a buscar os outros serviços sabendo o que se encaixa no seu orçamento, o que se ajusta ao número de convidados, se o fornecedor consegue atender você com exclusividade naquele dia...

Ah, não esqueça de visitar pelo menos 03 fornecedores de cada categoria. Você só pode ignorar essa regra se tem um fornecedor de muita confiança e faz questão de tê-lo trabalhando no seu casamento.

Se tiver alguma dúvida, daixa aqui nos comentários!​

Boa sorte!!!​

Nenhum comentário:

Postar um comentário