Guia Buenos Aires: sobra mala, dinheiro e documentos

9 de fevereiro de 2016



Já decidiu quando e como ir? Agora é hora de pensar em tudo que você precisa levar!

ARRUMANDO AS MALAS

Buenos Aires é uma cidade plana e o melhor jeito de conhecê-la é caminhando, portanto, calçados confortáveis para andar muito.
Roupas leves e confortáveis são sempre a melhor escolha para viajar.
Para a noite do tango (sempre tem a noite dele) uma roupa mais chic é bem vinda. Nada de gala, apenas um pouco mais social.

A minha experiência pessoal com o clima em BsAs eu já contei aqui.

No verão
Por Buenos Aires ser uma cidade arborizada, em janeiro os mosquitos estão por toda a parte: não esquecer o repelente!!
Protetor solar, sempre!
Chapéus para os adeptos e óculos de sol também devem estar na mala.
Um casaquinho, pois sempre pode esfriar...

No inverno
Um casacão para colocar por cima de qualquer que seja sua roupa.
Luvas e cachecol.
Protetor labial para não rachar os lábios e passar a viagem todo com essa dorzinha.

Peso máximo das bagagens
Em regra as viagens para Bs As tem as mesmas limitações que as viagens nacionais.
Despachada – 23 kg.
De mão – 5 kg.


DOCUMENTOS EM MÃOS
Um dos lugares mais tranquilos para se viajar em relação à burocracia é a Argentina:
- Não precisa de vacinas especificas.
- Não precisa de visto.
- Só exige identidade ou passaporte em mãos.

O cuidado aqui é prestar atenção no tipo de documento e na data de expedição!
Não são aceitas carteiras funcionais (OAB, CRM, CREA...), nem carteira de habilitação, apenas identidade ou passaporte.
Apesar de não haver data de validade na identidade, documentos antigos ou ilegíveis são recusados. Então, o documento deve ter menos de 10 (dez) anos, nenhuma rasura e sua fotografia deve ser reconhecível.
Para crianças, é recomendável que o documento tenha menos de um ano de expedição, afinal eles crescem (e mudam) super rápido...

Ah, uma dica que vale para todas as viagens: tenha uma bolsinha/carteira para manter os documentos de viagem juntos e em um lugar de fácil acesso durante todo o trajeto. Passagens, voucher de hotel, contato do transfer - se contratou -, documento pessoal, receita médica - se estiver levando algum remédio... Facilita muito a sua vida e agiliza as filas!


FALANDO SOBRE DINHEIRO
Reais e dólares são aceitos em quase todos os lugares, é sempre bom ter alguns pesos (moeda local) para pagar taxis, metrô, etc.
Aliás, dinheiro em mãos é sempre necessário para pegar táxi ou metro e pagar pequenas compras.

Para trocar reais por pesos, na primeira viagem, usei o Banco de La Nación, que fica no aeroporto de Ezeiza, por ter a melhor cotação e ser seguro. Já na segunda viagem, como já contei aqui, trocamos um pouco de dinheiro com a nossa guia.

É possível sacar nos caixas eletrônicos de lá com o nosso cartão brasileiro, mas as taxas são altas. Assim, é interessante levar uma quantia maior do Brasil e manter no cofre do quarto, carregando uma pequena parte por dia.

Mas, quanto levar por dia? A sugestão é calcular 400 pesos (aproximadamente R$ 120), por pessoa, valor suficiente para refeições, táxi, metrô, um café ou sorvete pelo caminho e comprinhas pequeninas.
É claro que isso depende do seu perfil de viajante, comer em restaurantes super badalados, usar apenas táxi e dispensar o metrô, são coisas que encarecem a viagem, mas com o valor que eu indiquei é possível aproveitar confortavelmente o dia em BsAs.

Uma dica muito importante é carregar dinheiro trocado para pegar táxi, uma vez que os golpes de taxistas são bem comuns. Eles costumam enganar o cliente dizendo que este o entregou uma nota de 05 e não de 20, falando dinheiro para pagar a corrida ou trocar notas verdadeiras por falsas dizendo que a falsa é do cliente, fazendo-o pagar de novo... Não pense que “precisa ser burro para cair num golpe assim”, os relatos de viajantes experientes que caíram no golpe são constantes.

Verifique bem o valor de suas notas e se elas são realmente verdadeiras ao receber e ao pagar alguém. As notas falsas geralmente são feitas grosseiramente, em papel sulfite. Procure identificar alguns detalhes como a marca d’água, a mudança de cor de azul para verde no número do canto superior da nota, os triângulos em relevo para a identificação por cegos e o desenho dos bustos, também em relevo. Caso queira economizar tempo, use a caneta que detecta dinheiro falso.

É bom saber: as cédulas em circulação são de 2, 5, 10, 20, 50 e 100 pesos e as moedas são de 1 peso (douradas e prateadas), 1, 5, 10, 25 e 50 centavos.

Tudo pronto? Vamos começar a pensar no roteiro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário